segunda-feira, 28 de maio de 2007

Detesto esse papo de vegans

Li no blog da Patrícia Campos Mello que pais desta "seita" chamada Vegans tentaram alimentar seu filho recém-nascido com suco de fruta e leite de soja. Óbvio que a criança faleceu rapidamente. Como pode uma família ser tão ameba?
 
Acreditar que é correto privar uma criança de alimento de origem animal, mesmo o animal sendo a própria mãe? Esses caras se acham tão naturalistas que estão querendo ir além da natureza, não usando fontes que os próprios animais usam como recursos de nutrientes, mesmo os herbívoros.
 
Uma vez conheci um cara que admirava esses vegans. Eu perguntei pra ele: "E o que esses caras fazem para ajudar alguém? Eles contribuem com alguma entidade assistencial? Eles fornecem algum subsídio pra quem tem fome, sede ou frio?". A resposta foi um silêncio de quem pensou: "pois é, o que esses caras fazem demais?".
 
Vegans não usam nada de origem animal. Não só quanto a consumir o próprio animal (comida e vestuário), mas nada que ele produza também. Mel, alimentos cultivados com veículos de tração animal, etc. Não só é retrocesso, como é exagero inútil.
 
Vai gastar seu tempo alegrando crianças e idosos em hospitais! Vai doar sangue! Vai dar aulas de qualquer coisa em comunidade carente. Ou vai ficar quieto em casa. Eu mesmo estou devendo muito nessa parte, mas reconheço essa falha. E esses caras? Pregam, fazem questão de aparecer e divulgar essa filosofia pra quê? Ajudam alguém?
 
Em tempo: o casal foi preso. Deveriam ser linchados. Qualquer crime deste nível de violência deveria ter uma punição maior. A violência neste caso, pra mim, é privar uma criança do que ela precisa baseado em uma crença sem base científica e por opção. O bebê não passou fome por que não tinha o que comer, mas porque os pais acharam que era o melhor. Fala sério.

Nenhum comentário: